Brazil in the UK

Gaby Amarantos será atração no Brazil Day de Londres; veja programação completa

A Trafalgar Square irá receber o Brazil Day 2015 – um festival livre para celebrar a cultura do Brasil e sua paixão por esportes. A festa, para todas as idades, acontece no sábado, dia 8 de agosto, das 01-08 PM, com entrada franca. 

Realizada pela Embaixada do Brasil em Londres, o evento oferece música brasileira ao vivo, DJ, vôlei de praia, barracas de comidas típicas do Brasil – como churrasco, feijoada, pão de queijo, açaí, aipim frito e brigadeiro -, e muito mais.

Leia mais:


Entre as atrações já confirmadas estão a rainha do technobrega Gaby Amarantos, a pioneira do trip hop Nina Miranda (part. esp. do percussionista Peu Meurray), a cantora carioca Flávia Coelho, o cantor baiano Aloísio Menezes e o bloco de Carnaval Serafina, show de forró com Zeu Azevedo, além dos Djs Lewis Robinson (Mais Um Discos - UK) e o produtor e selector Pedro D-Lita (B-Mundo Label).

Além da programação no palco, haverá ainda performances com os grupos Maracatu Estrela do Norte e London School of Samba e uma roda de samba com os Amigos do Norte.

Assista ao show completo de Gaby Amarantos no Circo Voador:

Gaby Amarantos gravou clipe para campanha na Copa do Mundo Brasil 2014:

BRAZIL DAY 2015 – LONDON 

Sábado, 8 de Agosto de 2015
A partir das 13pm
Palco montado na Trafalgar Square, Londres
Atrações: Gaby Amarantos, Nina Miranda e Peu Meurray, Flávia Coelho, Aloisio Menezes e bloco Serafina. Grupos culturais Amigos do Norte, Maracatu Estrela do Norte e London School of Samba. DJs Lewis Robinson e Pedro D-Lita
Atividades: esporte e brincadeira para crianças; barracas de comida, quitutes e bebidas do Brasil
Evento do Facebook: https://www.facebook.com/events/755602621214922/
Entrada franca

Especial: cobertura com os melhores momentos do show do Rappa em Londres

Vocalista Marcelo Falcão (Fotos by LJ Campos)

Depois de cumprir uma maratona de shows lançando o mais recente trabalho da banda, Nunca Tem Fim, em diversas cidades na Holanda, em Portugal e na Espanha, O Rappa, finalmente, voltou a Londres - após uma espera de seis anos. A Eleven esteve lá em Brixton para conferir a esperada apresentação dos brasileiros. 

Veja também:


Uma das mais conceituadas casas de shows da capital britânica, o Electric Brixton, anunciava, na tarde do último sábado(11), que os ingressos haviam se esgotado. O panfleto de divulgação informava o horário de abertura dos portões para às 19h. Durante o período da tarde, no entanto, uma grande quantidade de fãs do Rappa já estava no local, formando uma grande fila na rua. O clima do lado de fora era de confraternização.

Para alguns a ansiedade era tanta para ver a banda ao vivo, que, ao adentrarem o Electric Brixton, não demoraram muito para assobiar e gritar pedidos precoces para o início da apresentação.

Enquanto a trupe do Rappa não subia ao palco, o DJ e músico carioca Pedro D-Lita, um dos organizadores do evento, fazia as honras da casa comandando uma “funk carioca-reggae party”.

"O Rappa ressurge mais maduro e volta em boa hora,
seguindo em frente como uma das maiores
bandas do pop rock nacional"

Vista do palco no Electric Brixton, em Londres


TERRITORIO BRASILEIRO
Casa lotada, público aquecido, pausa na discotecagem. O ponteiro do relógio marcava 21h10, horário de verão de Londres. Estava chegando a hora do show! A plateia animada ocupava os três ambientes da casa. Um festival de celulares sacados dos bolsos enchia a pista de luzes cor de neon. Aplausos dos mais ansiosos se intensificavam. "Selfies" nos smarthphones eram uma atração à parte, entre grupos de amigos.

Dj Negralha abriu o palco. Seguido pelo baterista Felipe Boquinha e os irmãos Marcelo e Marcos Lobato (teclados e programações). Por volta das 21h30, enfim, chegavam para completar o time: o vocalista Falcão, trajando um bermudão e camisa de botão camuflados, e os parceiros de longa data, Xandão (guitarra e voz) e o baixista Lauro.

"Tivemos lotação máxima na casa, com 1600 pessoas. Fechamos as vendas na Internet antes, com medo da superlotação, por causa dos convidados”, conta Pedro D-Lita.

Vocalista Marcelo Falcão (Fotos by LJ Campos)

“Boa noite, Londres! O Rappa tá na área”

Com poucas palavras, - e assim permaneceu durante toda apresentação - Falcão liderou a banda em um show dançante de quase duas horas de duração. A chegada do novo baterista, Felipe Boquinha (Real Coletivo Dub), garantiu ao grupo uma pegada um pouco mais pesada, que, ao lado da dupla Lauro-Xandão, formou um paredão sonoro. Destaque para os solos de guitarra no talo de Xandão, agradando em cheio.

No repertório, a banda relembrou sucessos de todas as fases da carreira e apresentou para a audiência anglo-brasileira os sucessos do novo álbum, Nunca Tem Fim. Mas não foi preciso muito esforço, as novas “Auto-Reverse”, “Fronteira (D.U.CA.)” e "Anjos (Pra Quem Tem Fé)”, que encerrou a noite, já estavam na boca da galera. O público cantou, dançou e se emocionou ao relembrar hits como “Hey Joe”, “O Que Sobrou do Céu” e “Lado B Lado A”, entre tantos outros.

Em destaque, o guitarrista paraibano Xandão

Teve ainda versão dub de clássico de Tim Maia, com Falcão desafiando a voz rouca para interpretar a linda “Eu Amo Você” (Veja o clipe). Bandeiras do Brasil eram levantadas com orgulho. A noite era de festa e o território estava marcado. Brixton foi brasileira naquela noite.

"Bandeiras do Brasil eram levantadas com orgulho.
A noite era de festa e o território estava marcado.
Brixton foi brasileira naquela noite"

A crise interna recente - que deixou a banda parada por dois anos, com rumores de um fim definitivo – parece estar resolvida, não tendo afetado a unidade da banda nem no disco, nem no palco. Com novos hits e boas letras existênciais e sociais, a marca da banda, O Rappa ressurge mais maduro e volta em boa hora, seguindo em frente como uma das maiores bandas do pop rock nacional.

Com 1.600 pessoas, plateia de maioria brasileira esgotou os ingressos do show

AFTER PARTY
Ao final do show, por volta das 23h30, um grupo de fãs esperava do lado direito do palco, na esperança de serem atendidos pela banda para tirar fotos ou fazer uma visita ao camarim. Após agradecerem ao público com um abraço coletivo no palco, porém, os integrantes se despediram da Europe Tour 2015, depois de uma intensa semana na estrada.

A exceção ficou com o DJ Negralha que venceu o cansaço de fim de turnê e assumiu as pickups na “after party”, ali mesmo do palco, colocando os que ficaram na casa pra dançar até a madrugada. Nos sets, clássicos do pop nacional e internacional mesclados a novidades da música brasileira. Os produtores João Dinis (Primeira Linha) e Pedro D-Lita (B-Mundo Label) dividiram a festa com Negralha.

"Acredito que o "modus operandi" que fizemos - juntando duas forças criativas (B•Mundo Label & Primeira Linha) - para viabilizar produção do show do Rappa em Londres, pode render bons frutos para a internacionalização da nossa nova música brasileira", comemora D-Lita, que agora anuncia a vinda da turnê Nada Pode me Parar do maior nome do Rap Nacional, Marcelo D2 (Dia 22 de Agosto, também no Electric Brixton). 


Novo por aqui? Siga a ElevenCulture.com no Facebook, no Twitter e no LinkedIn.

Festival de Cinema de Londres abre inscrições para curtas e longas-metragens

Benedict Cumberbatch na Noite de Gala do 58º BFI London Film Festival

Benedict Cumberbatch na Noite de Gala do 58º BFI London Film Festival

Estão abertas as inscrições para o BFI – Festival de Cinema de Londres, organizado pelo British Film Institute, no Reino Unido. A 59ª edição do evento acontece este ano entre os dias 7 e 18 de outubro, na capital inglesa, e aceita obras de curta ou longa-metragem finalizadas nos últimos 18 meses.


O prazo de inscrição vai até o dia 12 de junho para curtas com menos de 40 minutos de duração, e até o dia 19 de junho para os longas-metragens.

Os interessados devem preencher um formulário de inscrição no site e, ao final do processo, serão redirecionados para uma página onde poderão efetuar o pagamento da taxa de inscrição via PayPal. O valor da taxa varia de acordo com a antecedência em que o filme é submetido.

Após o preenchimento online, o proponente deve enviar por via postal uma cópia do filme em DVD, acompanhada da confirmação da inscrição e do comprovante do pagamento da taxa, do título original e em inglês do filme, nome do diretor, país de produção, duração do filme, uma breve sinopse e informações de contato. A organização também oferece como opção a disponibilização de um link protegido por senha para a visualização do filme pela internet.

O Festival de Cinema de Londres é um dos eventos contemplados pelo Programa de Apoio à Participação de Filmes Brasileiros em Festivais Internacionais e de Projetos de Obras Audiovisuais Brasileiras em Laboratórios e Workshops Internacionais, que oferece apoios diversos a filmes oficialmente selecionados para 90 festivais internacionais e a projetos convidados para 31 laboratórios ou workshops. Clique aqui para saber sobre o funcionamento do programa.

Mais informações sobre o BFI no site oficial.

*Via Ancine

Entrevista: Lucas Santtana fala de amor livre, política, tecnologia e o novo disco

 

De passagem por Londres com a turnê de lançamento do álbum Sobre Noites e Dias, o cantor e compositor brasileiro Lucas Santtana bateu um papo com a Eleven. Artista sensível e um dos melhores letristas da sua geração, ele conversou com a jornalista Lívia Rangel.


Leia também:


Na entrevista, que você confere abaixo, Santtana fala sobre a influência da tecnologia na sua produção artística e como o mundo digital vem interferindo na vida das pessoas; relembra as canções mais pedidas em seus shows e conta detalhes do disco Sobre Noites e Dias e suas músicas; toca na ferida da política brasileira e a omissão dos artistas brasileiros; revela-se cidadão do mundo e garante que a imagem cultural do Brasil, como "o país do samba e Carnaval", está começando a mudar no exterior.

Já de volta ao Brasil, no dia 07 de maio, Lucas gravou, no Sesc Pompeia, o DVD de comemoração dos seus 15 anos de música e estrada.  

Sem mais delongas, confira a entrevista completa com LUCAS SANTTANA:

Lívia Rangel - Sobre Noites e Dias é um álbum multicultural que vai do erudito ao popular, do samba violado ao tecnobrega, do pop/rock à percussão afro-brasileira. Foi intencional produzir um disco musicalmente tão diverso ou isso veio naturalmente com a vida mutante na estrada?

Lucas Santtana - Todos os meus discos são um pouco assim. foi a maneira que eu entendi a música quando tinha 12 anos. ouvindo todo tipo de música e encontrando pontos de interseção entre esses universos musicais. Então, para mim isso é muito natural, não penso que estou fazendo, simplesmente faço.



"Aos poucos, essa imagem (no exterior) do Brasil de Carnaval,
mulata e caipirinha vai cedendo espaço para a cultura
que está sendo produzida no Brasil hoje em dia"


Lívia - Com tantas participações especiais e arranjos orquestrados em Sobre Noites e Dias, como tem sido para a banda interpretar o disco ao vivo?

Lucas - Nós usamos máquinas de sampler, como MPC e Monome. Mas tocamos tudo ao vivo, não gostamos de live P.A, não soltamos uma base programada e tocamos por cima dela. Tocamos as máquinas como instrumentos tradicionais (guitarra, baixo). Dessa maneira chegamos num som eletrônico e orgânico ao mesmo tempo.

Lívia - Quem está te acompanhando nesta turnê na Europa?
Lucas - Minha banda desde 2012. Bruno Buarque e Caetano Malta.

"Não sou uma pessoa regional ou nacional,
eu sempre quis ser do mundo. me sinto bem
em qualquer lugar. Gosto de interagir
com qualquer cultura"



Lívia - Você é um pesquisador atento à cultura que vem dos bailes charme e funk cariocas. É de lá que vem a inspiração para a libertária "Funk dos Bromânticos"?

Lucas - Também. Mas a inspiração para essa música veio na estrada, depois de encontrar vários jovens de 20 e poucos anos que se relacionam com pessoas de ambos sexos e não se consideram homossexual por causa disso. É em homenagem a essa geração
"bromantic" essa música.

Lívia - Por falar em amor livre, o Brasil vem passando por uma perigosa onda conservadora, tendo aliados políticos e religiosos que trabalham para regredir conquistas da sociedade brasileira. Como você tem visto essa nova onda? Os artistas populares não parecem se posicionar em quase nada no país...

Lucas - Sim, poucos artistas no Brasil tem se posicionado, uma pena. O Brasil está de fato vivendo um dos seus piores momentos políticos. Com um congresso eleito por voto proporcional, que não representa a sociedade, apenas interesses de grandes empresas e grupos de comunicação. Mas a mobilização popular tem crescido e vamos pressioná-los de todas as formas possíveis. É preciso que a imprensa internacional não se cale também em relação a isso.

"O Brasil está de fato vivendo um dos seus piores 
momentos políticos. Com um congresso eleito por voto
proporcional, que não representa a sociedade"

 

Lívia - Como filho da Bahia e adotado do Rio de Janeiro, de que maneira as duas cidades entram em sua música?

Lucas - Sim, mas todas as cidades entram, não sou uma pessoa regional ou nacional, eu sempre quis ser do mundo. me sinto bem em qualquer lugar. Gosto de interagir com qualquer cultura.

Lívia - O flerte com a música eletrônica é definitivamente uma marca sua. Em Sobre Noites e Dias você traz uma dose extra dessa digitália, sendo o disco quase todo costurado por instrumentação digital. Sobre Noites... é o seu trabalho mais eletrônico?

Lucas - Sim. Eu adoro máquinas que produzem música, seja uma guitarra, um sintetizador ou uma MPC. Muitas máquinas tem um som quente, pessoal, próprio dela, e gosto de explorar essas sonoridades do passado e do futuro.

Assista ao clipe da música "O Deus que Devasta mas Também Cura":

Lívia - "Human Time" (Sobre Noites e Dias) e "O Deus que Devasta mas Também Cura" (O Deus que Devasta mas Também Cura), em minha opinião, são dois clássicos da música moderna brasileira. Fala um pouco sobre essas duas canções e seus arranjos...

Lucas - São canções que misturam música clássica com música pop, tem uma sofisticação e ao mesmo tempo tem uma melodia bem pop. "Human Time" tem uma influência de música jamaicana e também de música minimalista e fala sobre a perda do tempo humano. Hoje é só olhar ao redor em qualquer lugar, todos estão aprisionados nas telas de seus smartphones. Ninguém aguenta ficar 3 minutos olhando uma árvore ou esperando para pegar uma avião. Todo o tempo livre parece uma perda de tempo que temos que ocupar mexendo nessas máquinas portáteis.

Ouça "Human Time":

Lívia - Aos poucos a música brasileira começa a ser revista no exterior. Artistas da chamada "nova geração" vêm rompendo paradigmas com bons discos e turnês, mostrando que o Brasil não é "só" Bossa, Samba e Carnaval. Acha que a imprensa internacional está realmente interessada nos sons modernos do Brasil?

Lucas - Sim, cada vez mais. Nesse disco ganhamos páginas inteiras em importantes jornais e revistas, acho que isso não acontecia faz tempo. Aos poucos essa imagem do Brasil de carnaval, mulata e caipirinha vai cedendo espaço para a cultura que está sendo produzida no Brasil hoje em dia, e que é tão internacional quanto o que se está produzindo no resto do mundo. 

 

"Hoje é só olhar ao redor em qualquer lugar, todos
estão aprisionados nas telas de seus Smartphones
"

 

Lívia - A faixa "Partículas de Amor", dona de um dos melhores clipes brasileiros do ano passado, faz sucesso entre o público feminino. Quais são as mais pedidas nos seus shows no Brasil?

Lucas - "Partículas de amor", "Cira regina e nana", "Amor em Jacumã", "Lycra limão", "Ela é Belém", "Tijolo a tijolo", são mutas. :)


Lívia - Na última terça-feira você esteve em Londres onde se apresentou no imponente SouthBank Centre, para lançar Sobre Noites e Dias. Como foi a experiência?

Lucas - Levamos os ventos, as árvores, os rios de Londres para cima do palco. E fizemos a nossa mágica. O show foi demais. 

 

Lucas Santtana lança álbum em Londres e homenageia Remy Kolpa Koupol

Depois de adiar o show de lançamento do álbum Sobre Noites e Dias, em Londres, que aconteceria no final do ano passado, Lucas Santtana, finalmente, está na cidade. Nesta terça-feira(05), às 7:45pm, ele sobe com sua banda ao palco do imponente Queen Elizabeth Hall, no Southbank Centre. A abertura fica por conta da cantora e compositora anglo-brasileira Nina Miranda, que fará um show intimista. Ainda há ingressos disponíveis a 12,50 libras (clique aqui).

 

Veja também:

 

Neste domingo, o artista anunciou, em sua página oficial do Facebook, que irá dedicar o show em Londres ao amigo e entusiasta da música brasileira no exterior, o radialista francês Remy Kolpa Poupol, que fez sua passagem ontem. "Muito triste a notícia da morte de Remy Kolpa Koupol. O maior embaixador da música brasileira na França há décadas. Ele foi no nosso show em Paris semana passada. Figura ímpar, sempre com uma energia intensa de vida. A música em qualquer parte do planeta teve uma perda profunda hoje. Obrigado por tudo que você representou Remy!!! SOM SEMPRE!!! O show em Londres será em sua homenagem", postou Santtana.

Multisonoridades
Sobre Noites e Dias, disco que procede o elogiado O Deus que Devasta mas Também Cura, começou na estrada, onde, ao lado de Santtana, Bruno Buarque e Caetano Malta, músicos da sua banda ao vivo, trouxeram loops de guitarra, batidas e instrumentação digital garatindo um dos mais eletrônicos trabalhos da carreira do baiano, radicado no Rio de Janeiro.

Entre as faixas de destaque está a hipnótica "Human Times", a solar "Diary of Bike", a libertária "Funk dos Bromânticos" e a romântica "Partículas de Amor".

Assista ao clipe de "Partículas de Amor":

:: Lucas Santtana
Lançamento do álbum Sobre Noites e Dias
Abertura: Nina Miranda, com o guitarrista Kari Bannerman e o baterista Helder Pack
Terça-feira, 05 de maio, às 7.45pm
Purcell Room (Queen Elizabeth Hall). Southbank Centre, Belvedere Road, London SE1 8XX
Tickets on line: http://www.southbankcentre.co.uk/whatson/lucas-santtana-87071
£12.50