Comportamento

Durante shows em SP, músicos do Bixiga 70 e Céu são agredidos por ativistas políticos


No último final de semana, músicos do grupo paulistano Bixiga 70, um dos expoentes da música instrumental contemporânea brasileira, se envolveram numa briga no final de um show da banda, em São Paulo. O caso aconteceu após o grupo se manifestar contra um ato político, que acontecia a poucos metros do local, em prol de uma "intervenção militar" no país. Nesta quarta-feira, a banda soltou uma carta aberta (leia abaixo) para explicar o ocorrido.

Leia também:


Outra situação parecida ocorreu com a cantora Céu. Segundo relato de fãs, postado em uma rede social, a artista paulistana também teria sido vaiada por pessoas que estavam na plateia, na sexta-feira, 24/10, no Grand Metrópole, quando Céu teria exposto seu apoio à reeleição da presidenta Dilma.

Mas a situação se agravou com o Bixiga70, onde músicos, fãs e agressores de plantão chegaram a entrar em confronto físico. Segundo nota publicada na página oficial da banda, ao anunciarem a última música da apresentação, onde fariam uma homenagem ao maior nome da música nordestina, Luiz Gonzaga, as agressões de extremistas presentes no local pioraram. Uma fã que apoiava a banda na frente do palco foi agredida por um homem e, nesse momento, os músicos interviram para defendê-la.

"O Brasil vive um momento muito delicado. Os ânimos estão à flor da pele e o resultado disso tem sido a polarização, o crescimento do ódio e dos ataques entre as partes. Nós sempre fizemos questão de nos manifestar publicamente, em shows ou nas redes sociais, a respeito de opiniões que discutimos muito entre nós. Foi assim no caso do Pinheirinho, da ocupação do Estelita, nas Manifestações de Junho, contra a xenofobia, a homofobia, o machismo, o preconceito... Os exemplos são inúmeros, qualquer pessoa que já foi a um show nosso sabe disso", diz trecho do comunicado do Bixiga 70.

No Facebook da banda, o internauta Vinícius Lecci falou sobre o que aconteceu no show de Céu: "Quem é capaz de pedir "intervenção militar" desconhece absolutamente o que é democracia! A Céu fez um show no Grand Metrópole, deu a sua opinião, escolheu o seu representante e tbm foi vaiada! Vaiada pq a direita fascista, retrógrada, não consegue argumentar, debater ideias, discutir opiniões, pontos de vista. A resposta da Céu foi ótima: "Gente, isso é uma democracia. Cada um escolhe o seu representante!".

Bixiga 70 interpreta a música 'Grito de Paz':

Leia íntegra da NOTA DE ESCLARECIMENTO do Bixiga 70:

"Recentemente passamos por uma situação lastimável, que colocou em risco nossa integridade física e moral. Situação que simboliza bem o momento que o país vive e achamos importante esclarecer os fatos publicamente para evitar ruídos e reafirmar nosso posicionamento que vai muito além da polarização partidária simplista, da forma como se coloca hoje.

Quem nos conhece, pessoalmente ou através de nossa música, sabe que nós somos da paz. Somos artistas e cidadãos. Prezamos pela liberdade de expressão, pela igualdade entre as pessoas, pelos Direitos Humanos e isso está presente tanto na nossa música como em nossa vida, em nossa atitude, enquanto grupo que funciona horizontalmente, na base da coletividade, da parceria e da liberdade criativa.

O Brasil vive um momento muito delicado. Os ânimos estão à flor da pele e o resultado disso tem sido a polarização, o crescimento do ódio e dos ataques entre as partes. Nós sempre fizemos questão de nos manifestar publicamente, em shows ou nas redes sociais, a respeito de opiniões que discutimos muito entre nós. Foi assim no caso do Pinheirinho, da ocupação do Estelita, nas Manifestações de Junho, contra a xenofobia, a homofobia, o machismo, o preconceito... Os exemplos são inúmeros, qualquer pessoa que já foi a um show nosso sabe disso.

No dia do ocorrido, não foi diferente. Manifestamos nossa opinião contrária a um ato que defendia a intervenção militar no Brasil que acontecia perto dali, no mesmo instante em que nos apresentávamos.

A reação imediata de parte do público foi “xingar o PT’’, dirigindo-se a nós com dedos em riste. Até aí, sem problemas. Respeitamos opiniões diferentes da nossa e enquanto artistas estamos preparados tanto para os aplausos, quanto para as vaias. Tentamos, em vão, explicar que a banda não tem qualquer ligação com partido, que falávamos como artistas e que iríamos tocar nossa última música - de um nordestino que nos inspira e nos orgulha, chamado Luiz Gonzaga. Entre vaias, xingamentos e alguns aplausos, tocamos nossa última música. Alto.

Logo após o fim do show, vimos um rapaz agredindo uma garota que foi para a frente do palco após nossa fala, nos apoiar com sua dança e sua alegria. O rapaz estava fora de si, inconformado com a situação, com o dedo médio na cara dela, empurrando e a ofendendo, aos berros. Para além de qualquer questão partidária, enquanto homens, parceiros, maridos, pais e filhos, não admitimos qualquer tipo de violência contra as mulheres ou qualquer indivíduo.

Ao vermos a cena, e na falta de quem a protegesse, descemos do palco para garantir a segurança da garota. Nesse momento, parte do público que nos xingava partiu pra cima. O tumulto estava formado e, diante da agressividade dos muitos que nos rodearam, nos defendemos como qualquer outro o faria em situação semelhante.

Não queremos nos vitimizar, nem nos tornar mártires de uma disputa política vazia e reducionista. Fomos tragados por uma violência que está cada vez mais presente em São Paulo e no Brasil. Nos sentimos na obrigação de alertar sobre os perigos desse movimento pois a desinformação e o discurso de ódio têm sido utilizados como ferramentas para que as pessoas se desentendam e não percebam sua situação real. Esperamos que o ocorrido, por pior que tenha sido, reflita positivamente e que isso ajude, não na polarização de um discurso politico simplista, pautado pelo ódio, mas na evolução do diálogo que é tão importante nesse momento.

Muito obrigado pelo apoio e pelo carinho que temos recebido dos amigos e fãs. Agradecemos aos que puderem compartilhar essa mensagem.

Paz.

Bixiga 70"



>> Siga a Elevenculture.com pelo Facebook, LinkedIn e Twitter 

Capas de Veja viram piada na internet, após investida contra Dilma às vésperas da eleição

Que a revista Veja é contra Lula, a presidenta Dilma Rousseff, PT e tudo que, para eles, reluz a cor vermelha, isso todo mundo já sabe. Que as notícias publicadas pelo veículo têm conteúdo que foge ao código de ética do jornalismo e da liberdade de imprensa, muitos já perceberam.

Mas nesta sexta-feira, a revista dominical do grupo Abril tentou um último golpe, às vésperas da eleição que vai definir quem será o novo presidente do Brasil, colocando nas bancas, com dois dias de antecedência, uma edição extraordinária estampando na capa uma acusação contra Dilma e Lula de envolvimento direto com o escândalo de corrupção estourado na Petrobras.

Foi o suficiente para gerar uma enxurrada de "zueiras" entre internautas criativos que estão publicando em suas redes sociais como Tumblr e Facebook, capas humoradas e fantasiosas, simulando a intenção da Veja.

(Veja o vídeo em que Dilma se posiciona contra a Veja e a resposta da revista).

Confira algumas abaixo:

 






}




 

























Legalize! Ouça o novo jingle do candidato Eduardo Jorge

O candidato à presidência da República Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV), é de longe o político mais carismático e mais antenado com os anseios da juventude brasileira nessas eleições 2014.

Depois de levantar abertamente a bandeira da legalização da maconha, para combater o tráfico de drogas no Brasil, e defender a descriminalização do aborto, em rede de TV Nacional, além de defender o uso de bicicletas e o transporte público nas cidades, agora o "Mujica" brazuca lançou seu novo jingle, em ritmo de reggae, inspirado na canção "Don´t worry, Be Happy".

Como não amar o Eduardo Jorge? 

 

Londres ganha estátua no dia do aniversário de Amy Winehouse


Mitch e Janis Winehouse com a estátua, na homenagem à filha Amy Winehouse, em Camden Market

A cantora inglesa Amy Winehouse, morta em 2011, ganhou uma homenagem neste domingo (14), dia em que completaria 31 anos. O bairro londrino de Camden Town, imortalizado pela musa da neo-soul music, ganhou uma estátua em tamanho real, que já virou uma atração para os turistas que vão ao local.

A estátua de bronze é obra do escultor Scott Eaton e está localizada no Stables Market, no boêmio Camden, o local do norte de Londres onde vivia e faleceu, e que foi descrito pela Fundação Amy Winehouse, criada por sua família, como seu "lar espiritual".

"Amy estava apaixonada por Camden e é o local ao qual é associada por seus admiradores de todo o mundo. A família sempre quis que houvesse uma lembrança para ela no local que mais gostava, (e a estátua) dará aos fãs um lugar para visitar e atrairá pessoas à região", disse seu pai, Mitch Winehouse, em um comunicado divulgado pela agência France Presse.

Mitch se prepara para lançar um disco solo de jazz, com o qual pretende arrecadar fundos para a Fundação Amy Winehouse, que objetiva a redução dos danos e prevenção dos efeitos causados pelo abuso de álcool e drogas em jovens.  

Brasileiros praticam inglês com idosos solitários de Chicago; veja vídeo emocionante

A escola de inglês CNA vem emocionando pessoas em todo mundo, com o vídeo de uma campanha que mostra como seus alunos vêm desenvolvendo a conversação em inglês interagindo - e se emocionando - com idosos, residentes em abrigos nos EUA. O resultado é mesmo lindo.

Confira!