Música

Baiana System participa do clipe de Carnaval do iPhone 7 Plus; assista

A banda BaianaSystem se uniu à rapper paulista Yzalú em novo clipe, com versão do clássico "Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua". O vídeo faz parte de uma campanha de Carnaval da Apple para divulgar o Modo Retrato do iPhone 7 Plus. 

Confere aí!

Carnaval 2017: Armandinho, Dodô e Osmar lança música em homenagem ao folião de rua; escute

A banda Armandinho, Dodô e Osmar acaba de lançar música inédita, “Pra que Corda?”, numa homenagem ao folião pipoca - aquele que curte o Carnaval livremente, fora dos blocos e camarotes privados.

Com melodia de Armandinho e Aroldo Macêdo e letra de Octácio, a música é um frevo elétrico com a marca registrada da banda, a guitarra baiana. A faixa celebra a pipoca, formada pelos foliões que brincam o Carnaval de graça, fazendo a maior festa do mundo junto ao Trio Elétrico mais importante e tradicional da folia baiana: Armandinho, Dodô e Osmar.

Quem segue o Fobicão pelas ruas da folia baiana participa de um espetáculo único, vibrante e democrático. Como dizem os Irmãos Macêdo – Betinho, Armandinho, Aroldo e André – “cordas, só nos instrumentos.”

Leia mais:


Viva o Carnaval de rua

Quem vem acompanhando o Carnaval de Salvador nos últimos anos já percebeu que a época dos blocos privados, os chamados "trios com corda", vêm ano após ano virando coisa do passado.

O apelo do público pra "baixar as cordas" ganha força com a popularidade de novas estrelas da música baiana, como os fenômenos BaianaSystem e Igor Kannário. Em paralelo, surge uma nova dinâmica de mercado, onde o patrocinador passa a apostar no artista e na exposição que ganha no trio e não mais no bloco fechado. A quem diga que seria o resultado de uma crise na indústria da Axé Music.

Artistas consagrados como Daniela Mercury, Cláudia Leitte, Saulo e Bell Marques já aderiram à nova "moda" de cantar para os fãs sem o cordão de isolamento que separa quem comprou o abadá (camisa estilizada do bloco) do “povão”. 

Quem ganha com esse novo momento é o próprio Carnaval de Salvador – festa criada pelo e para o folião "pipoca", a verdadeira expressão do Carnaval tradicional de rua, um legado deixado pelos patronos da folia e criadores do trio elétrico e da guitarra baiana: Dodô e Osmar.

“Pra Que Corda?” (Armandinho Macêdo / Aroldo Macêdo / Octácio)

PIPOCA

Pra que corda?
Pra que corda?
Se a pipoca tá com a corda toda

Pra que corda?
Pra que corda?
Abaixe a corda que a pipoca vai passar.

Sou folião da paz
Eu quero é mais
Carnaval é alegria
Tô na folia
Da união e do amor
Em Salvador
Vou até o fim da linha
Se Deus quiser
Tô na pipoca pro que der e vier.

Pra que corda?
Pra que corda?
Se a pipoca tá com a corda toda

Pra que corda?
Pra que corda?
Abaixe a corda que a pipoca vai passar.

A pipoca taí?
Eu quero ver
Essa pipoca tá botando pra ferver

A pipoca taí?
Eu vou mostrar
Só quero corda na guitarra pra tocar.

Pra que corda?
Pra que corda?
Se a pipoca tá com a corda toda

Pra que corda?
Pra que corda?
Abaixe a corda que a pipoca vai passar.

Kiko Dinucci antecipa músicas de seu novo disco em dois vídeos; confira

Nesta terça-feira (31), Kiko Dinucci apresenta os primeiros registros de seu projeto solo Cortes Curtos -- cujo lançamento está previsto para fevereiro -- em dois vídeos ao vivo para a série Stripped Sessions, do site redbull.com. Acompanhado de Marcelo Cabral no baixo e Sérgio Machado na bateria, ele apresenta versões exclusivas de "No Escuro" e "Crack para Ninar".

Kiko é um dos personagens mais emblemáticos da nova música brasileira e está por trás dos projetos Metá-Metá, Passo Torto, Bando Afromacarrônico e, recentemente, da estreia solo de Juçara Marçal -- sua companheira no Metá-Metá --, com o disco Encarnado.

Cortes Curtos é marcado, entre outras coisas, pela habilidade que o cantor, compositor e multi-instrumentista tem de musicar histórias cotidianas que acontecem nas ruas da cidade de São Paulo. Esse é o mote central do primeiro disco solo de Kiko, que chega aos ouvidos dos fãs no início de fevereiro.

Veja os vídeos de "No Escuro" e "Crack para Ninar": 

Assista ao clipe da faixa "Crack de Ninar"

Gravado no Red Bull Studio São Paulo, o álbum é composto por 15 canções nas quais Kiko Dinucci promove um encontro imaginário entre o samba soturno e paulistano de Paulo Vanzolini com o pós-punk dos anos 1980. As faixas, curtas e diretas, são pequenas crônicas urbanas do cotidiano caótico da cidade de São Paulo, que levam o ouvinte a uma viagem sonora de forte conteúdo imagético percorrendo os bairros centrais de São Paulo.

Sobre o Red Bull Studio São Paulo

Desde 2013, o Red Bull Studio São Paulo funciona como um espaço de experimentação e produção musical para artistas dentro do Red Bull Station, onde funcionou a antiga subestação de energia Riachuelo. Com altíssimo padrão técnico, o estúdio é reservado para talentos de estilos diversos, independente de sua abrangência ou tempo de carreira. Por ali, já passaram nomes como Metá Metá, Nação Zumbi, Emicida e Arto Lindsay.

Rapper Rico Dalasam (SP) lança clipe do single "Procure"; assista

Revelação do rap nacional e uma das vozes ativas no debate das questões de gênero, o rapper paulista Rico Dalasam acabar de soltar mais um single com clipe. "Procure" é uma produção musical de Filiph Neo e Japa System. 

"Estou sem lançar musicas há seis meses. Escolhi "Procure" porque a letra traz alguns trava língua que são códigos para dificultar a compreensão, para que cada pessoa ressignifique e celebre conforme a música se debruça no coração de cada uma delas. O verso que mais coloca a ideia da música em destaque é 'tolo não compriê , só copiê'", explica Dalasam.

"(...) estou dizendo com muito deboche
que estou seguindo em meio a covardia,
essa mesma covardia que
tem me feito chorar todo dia (...)"


"Pra mim é difícil descrever uma música.. esta é cheia de signos da minha própria linguagem, estou dizendo com muito deboche que estou seguindo em meio a covardia, essa mesma covardia que tem me feito chorar todo dia. É a mesma que me impulsiona a compor como nunca, ir pro studio e ter mais motivos ainda pra dar meus bailes e shows todo dia, enquanto tento existir fora dos flashs e views.. e que o show cada vez mais é um ritual entre eu e o público onde nos lavamos nossas próprias almas, sem líder, sem pastor, sem pai..."

Baixista curitibano morre em cachoeira em Joinville

De acordo com artigo do site Bem Paraná, na tarde desta quarta-feira (11), uma equipe formada por especialistas em resgate em montanha e bombeiros, com a ajuda do helicóptero Águia, da Polícia Militar, encontraram o corpo do músico curitibano Felipe Maciel, conhecido como Kojake de 32 anos. O corpo foi localizado no alto do Rio da Prata, na zona rural de Joinville.

Felipe entrou sozinho numa trilha na mata na manhã de terça-feira (10) e não voltou mais. Além de DJ, Kojake era baixista da banda Stereo 33. 

Felipe Kojake era baixista da banda Stereo 33

Segundo a Polícia Militar, o corpo está caído nas pedras numa cachoeira com mais de 30 metros de altura, numa região de difícil acesso no meio da mata. O resgate do corpo deve ser feito ainda na tarde desta quarta-feira. Familiares reconheceram o carro de Felipe estacionado a menos de dez metros do rio. 

Em entrevista à RBS, Valdir Bartz, dono da propriedade onde funciona o Recanto das Nascente Divinas, com uma pousada e um camping, no final da estrada, Felipe chegou por volta das 10 horas da manhã de terça-feira, pediu para entrar e tomar banho na cachoeira.

Ainda não é possível afirmar o que provocou a morte do rapaz. Nas redes sociais, a comoção com a morte do músico é grande, amigos lamentaram a morte e mandam condolências para a família.

Confira trecho da nota divulgada pela banda Stereo 33:

"Tudo muito rápido. Pedimos desculpas se tivemos que reagir rapidamente, também.
Com grande tristeza, a Stereo33 informa que nosso amigo e integrante baixista Kojake faleceu nesta última terça-feira.
Pedimos a todos os amigos pensamentos positivos e suporte à família.
Local e horários do velório ainda não foram definidos. Assim que sejam confirmados, informaremos nesta página".