Música

Dicas: como funciona o cálculo de áudio streaming?


Um dos assuntos que mais levantam questões junto aos músicos independentes é o cálculo da monetização nas plataformas digitais de streaming. Este texto, retirado do site da Tratore, explica como funciona o rateio das quantias repassadas por Spotify, Deezer, Apple Music e outras.

Nas plataformas digitais dedicadas a música, a arrecadação ocorre de duas formas: a partir de anúncios publicitários, como banners e spots, e da renda obtida por meio dos assinantes ou usuários premium.

Dessa arrecadação, os serviços digitais retêm cerca de 30% do total e repassam o restante aos agregadores, distribuidoras e gravadoras. A divisão geral é feita a partir do número de plays de cada faixa e, com isso, o valor individual da execução flutua de acordo com a arrecadação do período.

Os cálculos de plays gratuitos e pagos são realizados separadamente, de modo que o valor por play é maior no caso dos assinantes.

Apesar da flutuação, é possível fazer estimativas de arrecadação sobre o fonograma, que vão de um terço de centavo a quatro centavos de dólar o play, dependendo da plataforma e do tipo de usuário.

Essa quantia intermediada pelas distribuidoras e gravadoras é repassada aos artistas e responsáveis de acordo com o estipulado em seus contratos. No caso da Tratore, eles repassam aos titulares 75% do valor arrecadado sobre o fonograma. A ONE Rpm, por sua vez, negocia com o artista algo em torno de 85%.

A parte autoral, que equivale a entre 15% e 25% do total no Brasil, é motivo de discussão entre entidades e organizações no momento. Esse repasse é feito pelas plataformas diretamente à UBEM (União Brasileira de Editoras de Música) e ao ECAD, sem passar pelas distribuidoras e agregadores. No caso da UBEM, só autores representados por editoras e entidades filiadas conseguem receber o que lhes cabe.

Para evitar que essa arrecadação fique retida, distribuidoras como a OneRPM e a Tratore oferecem ao autor direto acordos que permitem o acesso a esse valor.

Saiba mais pelos sites: FonoMatic, Tratore, OneRPM 

 

Nação Zumbi faz show para celebrar os 20 anos de “Afrociberdelia” em agosto

Nação Zumbi | Foto: Tom Cabral

Em comemoração aos 20 anos de “Afrociberdelia”, segundo e último álbum do Nação Zumbi ainda com Chico Science na formação, a banda faz um show, com a promessa de ser memorável, na Audio, em São Paulo, dia 12 de agosto. Um show histórico. Como anunciou Chico Science, “modernizar o passado é uma revolução musical”. Os ingressos estão à venda no Ticket 360 e custam R$60,00 para o terceiro lote.

Para fortalecer a apresentação, será ainda celebrado os 50 anos de nascimento do Chico. O show de abertura fica por conta do cantor Siba, também recifense e importante nome do movimento manguebit, e discotecagem do DJ Dolores. 

“Afrociberdelia” marcou o encontro entre as músicas brasileira e africana, o rock, o rap e as revoluções digitais que deram nova cara ao mundo nos anos 1990.

Além de “Macô”, “Manguetown” e “Maracatu Atômico”, músicas que nunca saíram do repertório da banda, Jorge Du Peixe (voz), Lúcio Maia (guitarra), Dengue (baixo), Pupillo (bateria), Toca Ogan (percussão), Da Lua e Tom Rocha (alfaias) se reencontram com a psicodelia de “Samba do Lado”, a climática “O Encontro de Isaca Asimov com Santos Dumont no Céu” e “Criança de Domingo” do Felinni – uma das maiores influências do grupo.

Nação Zumbi; Show “Afrociberdelia” @ Audio
Data: 12 de agosto de 2016
Horário: abertura da casa às 22h
Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 694 – Água Branca - São Paulo – SP
Telefone: 11 3862-8279
Site: www.audiosp.com.br

“Festivais Bananada e do Sol terão edições na Europa”, revela produtor Fabrício Nobre

De 09 a 15 de maio, a capital goiana sedia a 18a edição do tradicional festival Bananada, com shows de produções brasileiras e internacionais. 75 atrações invadem os dois super palcos montados no Centro Cultural Oscar Niemeyer, além de shows em casas noturnas e teatros de Goiânia.

Leia mais:


Em paralelo a extensa programação musical (confira o line up completo no site oficial), o Bananada também promove artes visuais, esportes radicais, gastronomia, tatuagens, skate e produções audiovisuais, em sete dias contínuos de evento. E tem surpresa boa chegando aos fans do festival que moram no exterior.

Na última sexta, conversei com Fabrício Nobre, produtor e curador do festival, no programa Novos Sons do Brasil da Rádio RBG - Londres (ouça o programa no áudio abaixo). Na entrevista, ele revelou que o Bananada vai atravessar o oceano com edições pocket do evento na bagagem, a serem realizadas nas cidades de Lisboa, Porto e Barcelona, em parceria com o Festival do Sol de Natal.

“Esse ano o Bananada, em parceria com o Festival do Sol, tem uma ação especial. Nós fazemos fazer pela primeira vez, showcases do Bananada, numa mini-edição deles na Europa. Vão ser dois dias de festival no Music Box, em Lisboa, e no Cave 45, no Porto, e ainda dois showcases no "Primavera Pro", dentro do festival Primavera Sounds, em Barcelona (que acontece de 02 a 04 de junho). A gente vai com as bandas Water Rats, Inky, O Terno e Aldo, The Band”, revela Nobre.

Bananada 2016
No Brasil, sobem ao palco do Bananada esse ano atrações de peso: Jorge Ben Jor e Planet Hemp, tocando ao lado de novos expoentes da MPB, como Liniker e Juçara Marçal, além de bandas gringas tais quais The Helio Sequence (EUA) e Riviera Gaz (SP/EUA), com membros do Forgotten Boys e Sonic Youth, e o cantor Matias Cela (Chile). E ainda, como não poderia faltar ao DNA do evento, bons nomes da cena rocker local e nacional, como Hell Benders, Carne Doce e Autoramas, entre outros. 

Ouça o programa "Novos Sons do Brasil" e a entrevista completa sobre o Bananada 2016:





Super astro pop, Prince morre aos 57 anos em casa

Uma noticia estranha pegou a todos de surpresa, hoje: morreu aos 57 anos, o superstar, cantor e compositor norte-americano Prince, em sua casa em Minnesota, EUA. De acordo com a BBC, seu assessor confirmou a informação.  A policia recebeu uma chamada para uma emergência médica no início desta quinta. Uma investigação foi aberta para entender as circunstancias da morte do astro.  


Prince foi um músico multi-instrumentista e dançarino norte-americano, considerado por muitos um dos maiores ícones pop de todos os tempos, assim como um dos mais talentosos e conhecidos mundialmente, após de ter vendido mais de 100 milhões de álbuns e 60 milhões de singles.

Os singles e álbuns de Prince, especialmente os lançados nos anos 80, estão quase sempre entre as 5 primeiras posições de todas as listas de melhores músicas ou discos de todos os tempos, com destaque para o álbum Purple Rain, lançado em 1984. Sua música mistura diversos generos musicais como funkR&Bsoulnew wavejazzrockpop e hip hop. Foi considerado o 33º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.

Prince tinha a habilidade de juntar elementos de todos estes estilos musicais fazendo uso de sintetizadores e Bateria eletronicadesde o início da sua carreira no fim dos anos 1970, tornando conhecido o som de Minneapolis, influenciando todos os novos artistas até hoje.

 

Lay, Liniker e Rico Dalasam falam sobre música e gênero

Nesta terça-feira, dia 19 de abril, a partir das 20h, acontece a palestra “Música e Gênero”, com LayDirty, Liniker e Rico Dalasam, no Red Bull Station, parte da programação do Pulso. O evento será gratuito e aberto ao público.

Leia mais:


Moderado pela jornalista Luciana Rabassalo, Rico, Lay e Liniker discutem o atual estado da música e da questão de gênero e como os dois assuntos se relacionam e são encarados pelo público. 

O paulistano de Taboão da Serra Rico Dalasam, 26, o primeiro rapper assumidamente gay do país, despontou nos últimos dois anos com sua música unindo letras sobre orgulho gay e negro ao estilo de festa e ferveção. Em 2015, ele lançou o EP “Modo Diverso”.

Nascida e criada em Osasco, a cantora LayDirty faz uma música com raízes no punk e no dancehall. Acaba de lançar o EP “129129”, com letras com discurso empoderador e feminista. Para além da música, ela mantém um experimento visual constante em seu Instagram.

Natural de Araraquara, interior de SP, o jovem cantor Liniker foi um dos nomes mais falados em 2015, quando lançou o EP “Cru” e três vídeos seus viralizaram na internet. Considerado a nova voz do soul nacional, ele também estuda teatro e vê a estética como uma ferramenta política, usando-a para transmitir sua identidade como homem gay e negro.

Pulso é um projeto que ocupa o Red Bull Station entre 04 e 30 de abril no qual 30 músicos e produtores independentes de todo Brasil se juntam para discutir o mercado da música e criar novos sons.

A entrada é gratuita, sujeito a lotação do espaço, e pulseiras começam a ser distribuídas com 1h de antecedência. 

 

Música e Gênero, com Lay, Liniker e Rico Dalasam @ Pulso - Red Bull Station

Data: 19 de abril de 2016
Horário: 20h (pulseiras distribuídas com 1h de antecedência)
Local: Red Bull Station
Endereço: Praça da Bandeira, 137 – Centro – São Paulo
Telefone: 11 3107-5065
Capacidade: 120 pessoas
Censura: Livre
Entrada: Gratuito
Site: http://www.redbullstation.com.br/pulso/