Música

"Love, love, love" pra você também, Lobão!

Parece que o amor e a renovação evocados na Semana Santa, inundou o coração do cantor, compositor, escritor e ativista politico Lobão, que nos últimos anos tem ganhado mais os holofotes por sua atual paixão política do que pela sua música. Infelizmente. (ou não?)

Conhecido pela nova geração por sua língua ferina e seu posicionamento radical anti-PT, o que o elevou a uma espécie de líder das manifestações contra o atual governo, o ídolo do rock 80, Lobão, surpreendeu a todos os seus antigos fans e também os seus atuais seguidores ideológicos, com uma carta cheia de amor, pedidos de paz, diálogo e serenidade.

As palavras foram enviadas em forma de pedido de perdão aos seus três artistas-alvos preferidos: Caetano Veloso, Gilberto Gil e Chico Buarque (que não estava no programa).

"Algo muito possante tomou conta de mim, uma força estranha foi me conduzindo para áreas da minha memória afetiva e quando dei por mim, estava lá eu olhando para a TV inundado de carinho e amor", escreveu Lobão.

O ativista confessou que se preparava para assistir ao programa 'Altas Horas', na noite de sábado, pronto para iniciar mais uma de suas guerrilhas virtuais: "Até então, o clima era de afiar unhas e dentes".

Mas surpreendendo a bélica mídia nacional, em pleno domingo de Páscoa, Lobão fez o contrário e publicou uma bela carta aberta (leia logo abaixo dos videos), pedindo perdão à "santa trindade" da MPB, sem, no entanto, perder a oportunidade de convocá-los a debaterem o futuro por ele esperado ao Brasil.

"Love, love, love" pra você também, Lobão!
Que a música volte a falar mais em alto em sua vida"

Sem dúvida, um gesto curioso e interessante do Lobão. Mas sabemos que there is a long road to cross. 

"Love, love, love" pra você também, Lobão! Que a música volte a falar mais em alto em sua vida. E, por gentileza, não estrague mais as suas letras nos shows.  :)

Leia integra da carta aberta de Lobão:

"Carta Aberta para Caetano, Gil e Chico

Caros amigos ,
Decidi escrever uma carta aberta a vocês por inúmeros motivos, mas confesso que dentre todos esses tais motivos que me moveram ,estava lá ,para minha surpresa, no fundo do meu peito a me gritar, o maior e mais importante deles todos: O meu amor por vocês.

Não poderia haver momento mais emblemático, um domingo de Páscoa, me permitir( não sem alguma resistência) ser flagrado em minhas próprias contradições.

Pois bem: na madrugada de hoje ,tomei fôlego e sintonizei o programa do Serginho Groissmann no intuito(um tanto beligerante) de verificar as declarações do Caetano que vazaram na imprensa sobre as passeatas, a situação política etc e tal, imaginando colher não somente o que foi dito, mas como foi dito ,gesticulado e contextualizado. Até então, o clima era de afiar unhas e dentes.

Contudo, algo muito possante tomou conta de mim, uma força estranha foi me conduzindo para áreas da minha memória afetiva e quando dei por mim, estava lá eu olhando para a TV inundado de carinho e amor , com um enorme sentimento de parentesco por aquelas duas figuras( Caetano e Gil) que há tantos anos venho me digladiando e divergindo.
Essa tal força estranha também dragou uma outra figura, na tela ausente, para a ribalta do meu coração, o Chico .

E a partir daquele instante me vi numa tremenda sinuca de bico:
Se estou eu, lutando pela verdade dos fatos, por alguma razoabilidade nos gestos, por justiça, honestidade intelectual, tolerância e entendimento, cabe a mim adotar esse rigor, antes de mais nada, a mim mesmo e por isso mesmo venho a público pedir minhas desculpas por ter sido durante todos esses anos ,desonesto a diminuir o talento de vocês três por pura birra, competição, autoafirmação ou até, vá lá, uma discordância genuína quanto a princípios ideológicos ,políticos e metodológicos.

Vocês três fazem parte, queira eu ou não, do meu DNA artístico e afetivo, do meu imaginário poético e são sim, artistas muito fora da curva ,tanto na excelência das canções com na criatividade ,na beleza e na inspiração de seus versos. Portanto, peço humildemente o perdão de vocês, Caetano ,Gil e Chico.

Sendo assim, desde então , livre para vos amar ,admirar e respeitar, voltemos à vaca fria, a esse momento grave de colapso de governo ,de ódio generalizado entre os brasileiros.

Caetano ,me corrija se eu estiver errado, mas ao observar seu posicionamento sobre as passeatas e os movimentos sociais notei na sua mímica( mais até no que você dizia)uma angústia cravada de dúvidas em relação a essa torrente de acontecimentos insólitos, surpreendentes a nos deixar atônitos e desnorteados. E havemos de acrescer de mais angústia ainda ao contabilizá-la, uma vez que o programa já havia sido gravado duas semanas antes! Ou seja, há priscas eras ,quando nossas preocupações ainda eram criancinhas de pré primário diante das atuais! 

E a grande preocupação atual é o fato de todos nós sermos forçados a concordar sem a menor sombra de dúvida que esse governo já não vigora mais como tal , que ele mesmo se deliquesceu no esplendor duvidoso de sua ruína moral, arrastado para a seara da pura e simples criminalidade e que será necessário de agora em diante muita serenidade ,sabedoria e união de todos nós para recomeçar tudo de novo.

A minha proposta é simples e singela: nos concedermos a oportunidade de revermos nossos pontos de vista ,nossas metas, de conversarmos como pessoas crescidas que estão nessa luta por um Brasil mais justo, cada um a sua maneira, com toda disposição de melhorar as condições do país em todos os sentidos. Começaríamos, como não poderia deixar de ser, pela nossa classe que tanto precisa ser reavaliada, repensada e reorganizada não somente entre as nossas relações pessoais enquanto colegas mas como também nas políticas culturais.( ou não)

Quem sabe ,nesse momento sombrio esteja, justamente a nossa brecha cósmica de mudanças de paradigmas nefastos tão profundamente enraizados em nossas almas, em nosso imaginário e principalmente ,em nossa forma de agir.
E que ironia do destino, numa data tão emblemática como esses idos de março, num fechamento de ciclo iniciado em 64 que se prenuncia ameaçador latejando em nossos corações como uma tempestade a nos colher de hora marcada ,seja agora o instante de rechaçarmos de vez essa tenebrosa repetição de padrão que nos condenaria para todo o sempre a criaturas imunes aos efeitos da tentativa e erro.

Está em nossas mãos ,enquanto artistas sempre com forte penetração no coração da alma brasileira, não permitir que sejamos reféns de nossa inépcia, de nossas paixões, dos nossos cacoetes e de nossa vaidade.

Quem sabe ,nessa hora das mais escuras, seja esse o momento de erradicarmos para sempre aquelas vicissitudes mesquinhas do que ( não) entendemos por esquerda e direita, sobre o que é desigualdade e quais suas causas em suas mazelas reais? Quem sabe ,tenha chegado o esperado momento em que finalmente deixemos de ser essa província de terrores brandos e esmaecidos por nossa fantasia delirante de teimar ser um povo macunaimicamente escolhido nos condenando ao parasitismo, ao clientelismo, ao coronelato e a ideólogos cretinos a nos conduzir por toda eternidade?

Quem sabe seja nessa hora amarga de desmoronamentos de sonhos e anseios, o terreno mais fértil para nos ouvirmos e nos desfrutarmos com mais proveito ,com mais sabor e daí surgir um oceano de novas revelações?

Portanto, meus caros amigos, clamo a vocês ,de todo o coração, para que conversemos, discutamos, discordemos que seja, mas encaremos essa crise com determinação e confiança em cada um de nós, para que possamos descortinar novos horizontes com a real possibilidade da elaboração de novas formas de pensar e agir para fazer valer a pena tantas décadas de erros infantis, sempre com a certeza de sermos homens de boa vontade, que sob os mais variados vieses de pensamento, queremos mais justiça, mais fartura, mais amor, progresso a paz nessa terra tão devastada por paixões e cacoetes infrutíferos.

A hora é essa, meus caros amigos, recebam pois o meu amor ,meu carinho e respeito convictos de que haverá em mim uma criatura plena de vontade de cooperar com humildade e dedicação por um Brasil melhor e que não há razão nem espaço para conflitos ,convulsões sociais nem revoluções .Nossa transformação será através do crédito moral, do afeto e dessa nova aliança que, tenho fé, permeará esse novo e maravilhoso Brasil que se vislumbra. Topam? 

Um beijo pra vocês três. Love ,Love, Love !
Lobão (Sp.27 de março de 2016)

Pela internet, Céu anuncia chegada de novo disco de estúdio

Uma das mais celebradas cantoras da nova geração da MPB, a paulistana Céu, divulgou hoje, em sua página oficial do Facebook, a chegada do seu mais novo disco de estúdio, batizado Tropix, produzido por Pupillo e Hervé Salters. A foto da capa é assinada por Luiz Garrido. O álbum tem previsão de lançamento para dia 25 de março.

Leia mais:


Céu é uma das atrações brasileiras anunciadas no calendário de shows de Abril da The Forge, casa de show de Londres, conforme anunciamos ontem aqui. Portanto, os europeus devem conferir o novo show da artista com poucos dias de lançado no Brasil.  

"É com muita alegria que anuncio aqui a chegada do meu quarto disco de estúdio: "Tropix". Muito agradecida a todas as pessoas envolvidas, diretamente nele, produtores, músicos, artistas, família, amigos, etc, e também as envolvidas indiretamente que são de suma e total importância, e me dão suporte para continuar nessa grande jornada que é a música. Obrigada a vocês!!! Muito amor . Céu", escreveu a artista.

David Bowie surpreende em novo clipe, dirigido por Johan Renck; assista

O novo álbum de David Bowie, ★, será lançado oficialmente no dia 8 de janeiro, mas a pré-venda já pode ser feita no site oficial do cantor. A pronúncia do disco é “Blackstar”.

Para alegria geral, o ídolo pop, criador de hits imortais como “Heroes”, “Life on Mars” e “Rebel Rebel”, decidiu lançar um álbum atrás do outro em um curto espaço de tempo. Depois de esperar dez anos para a chegada de The Next Day em 2013, agora é a vez de ★, o 26° disco da carreira de Bowie. 

A faixa-título do álbum ganhou um clipe de 10 minutos de duração, dirigido por Johan Renck, responsável pelos clipes de “Hung Up” e “Nothing Really Matters” da Madonna e outros vídeos de New Order, Robyn e Robbie Williams. O trabalho mais recente do sueco é a direção da série britânica “The Last Panthers”, que estreou na Europa em Outubro.

Um astronauta morto num planeta qualquer, uma caveira cravada em joias, uma mulher com rabo, espantalhos crucificados e rituais sagrados femininos são alguns elementos do curta que você confere agora:

Assista ao novo clipe de Filipe Catto do single “Dias e Noites”

O cantor, compositor e instrumentista Filipe Catto acaba de soltar o primeiro clipe do seu mais novo disco, Tomada, que saiu pelo Natura Musical. A faixa "Dias e Noites" ganhou vídeo protagonizado pelo artista, num jogo de luzes e imagens sobrepostas, em um plano de fundo escuro, onde se vê o rosto de Catto mesclado ao de outras pessoas.

Relembre a entrevista que fizemos com Filipe Catto

A produção é da Zeppelin Filmes, dirigida por Fernanda Rotta e Rodrigo Pesavento. "Toda minha gratidão à equipe e a todos que apoiaram e realizaram este projeto...", postou o artista na sua rede social.

Confira! 

Instituto lança disco com homenagem a Chico Science na voz de Sabotage; ouça

Admiradores da nova música brasileira acabam de ganhar um presente de natal antecipado. O Instituto lançou, hoje, pela plataforma digital Spotfy, o ótimo disco Violar, que será lançado oficialmente no site do selo/coletivo, na próxima segunda-feira (26), e deve ganhar sair em formato vinil até o final do ano.

Um dos grandes destaques do trabalho é a faixa “Alto Zé do Pinho”, canção póstuma do rapper Sabotage na qual ele faz uma homenagem a outro grande ícone da música nacional que nos deixou de forma trágica: Chico Science. A música ainda tem as presenças de Sombra, Nação Zumbi e Otto.

O disco ainda conta com as participações de Tulipa Ruiz, Criolo, Tony Allen, Lanny Gordin, Karol Conka, Curumin, Kiko Dinucci, Thiago França, Daniel Ganjaman, BNegão, entre muitos outros.

O Instituto não é exatamente uma banda, do tipo que faz shows e tours, mas um selo/estúdio de gravação de trilhas, séries de TV, documentários e publicidade, capitaneado pelos engenheiros de som Rica Amabis e Tejo Damasceno, com base na Vila Madalena, em São Paulo.

Sem lançar discos desde 2002, o Coletivo Instituto solta um dos melhores e mais importantes trabalhos da safra independente brasileira 2015. Foram 13 anos entre Coleção Nacional, álbum ícone do hip hop, e Violar, que apresenta novas possibilidades ao hip hop nacional, recheado de experimentações, aproximando-o do jazz e do pop

Ouça Violar no Spotfy: