Música

Kiko Dinucci antecipa músicas de seu novo disco em dois vídeos; confira

Nesta terça-feira (31), Kiko Dinucci apresenta os primeiros registros de seu projeto solo Cortes Curtos -- cujo lançamento está previsto para fevereiro -- em dois vídeos ao vivo para a série Stripped Sessions, do site redbull.com. Acompanhado de Marcelo Cabral no baixo e Sérgio Machado na bateria, ele apresenta versões exclusivas de "No Escuro" e "Crack para Ninar".

Kiko é um dos personagens mais emblemáticos da nova música brasileira e está por trás dos projetos Metá-Metá, Passo Torto, Bando Afromacarrônico e, recentemente, da estreia solo de Juçara Marçal -- sua companheira no Metá-Metá --, com o disco Encarnado.

Cortes Curtos é marcado, entre outras coisas, pela habilidade que o cantor, compositor e multi-instrumentista tem de musicar histórias cotidianas que acontecem nas ruas da cidade de São Paulo. Esse é o mote central do primeiro disco solo de Kiko, que chega aos ouvidos dos fãs no início de fevereiro.

Veja os vídeos de "No Escuro" e "Crack para Ninar": 

Assista ao clipe da faixa "Crack de Ninar"

Gravado no Red Bull Studio São Paulo, o álbum é composto por 15 canções nas quais Kiko Dinucci promove um encontro imaginário entre o samba soturno e paulistano de Paulo Vanzolini com o pós-punk dos anos 1980. As faixas, curtas e diretas, são pequenas crônicas urbanas do cotidiano caótico da cidade de São Paulo, que levam o ouvinte a uma viagem sonora de forte conteúdo imagético percorrendo os bairros centrais de São Paulo.

Sobre o Red Bull Studio São Paulo

Desde 2013, o Red Bull Studio São Paulo funciona como um espaço de experimentação e produção musical para artistas dentro do Red Bull Station, onde funcionou a antiga subestação de energia Riachuelo. Com altíssimo padrão técnico, o estúdio é reservado para talentos de estilos diversos, independente de sua abrangência ou tempo de carreira. Por ali, já passaram nomes como Metá Metá, Nação Zumbi, Emicida e Arto Lindsay.

Rapper Rico Dalasam (SP) lança clipe do single "Procure"; assista

Revelação do rap nacional e uma das vozes ativas no debate das questões de gênero, o rapper paulista Rico Dalasam acabar de soltar mais um single com clipe. "Procure" é uma produção musical de Filiph Neo e Japa System. 

"Estou sem lançar musicas há seis meses. Escolhi "Procure" porque a letra traz alguns trava língua que são códigos para dificultar a compreensão, para que cada pessoa ressignifique e celebre conforme a música se debruça no coração de cada uma delas. O verso que mais coloca a ideia da música em destaque é 'tolo não compriê , só copiê'", explica Dalasam.

"(...) estou dizendo com muito deboche
que estou seguindo em meio a covardia,
essa mesma covardia que
tem me feito chorar todo dia (...)"


"Pra mim é difícil descrever uma música.. esta é cheia de signos da minha própria linguagem, estou dizendo com muito deboche que estou seguindo em meio a covardia, essa mesma covardia que tem me feito chorar todo dia. É a mesma que me impulsiona a compor como nunca, ir pro studio e ter mais motivos ainda pra dar meus bailes e shows todo dia, enquanto tento existir fora dos flashs e views.. e que o show cada vez mais é um ritual entre eu e o público onde nos lavamos nossas próprias almas, sem líder, sem pastor, sem pai..."

Baixista curitibano morre em cachoeira em Joinville

De acordo com artigo do site Bem Paraná, na tarde desta quarta-feira (11), uma equipe formada por especialistas em resgate em montanha e bombeiros, com a ajuda do helicóptero Águia, da Polícia Militar, encontraram o corpo do músico curitibano Felipe Maciel, conhecido como Kojake de 32 anos. O corpo foi localizado no alto do Rio da Prata, na zona rural de Joinville.

Felipe entrou sozinho numa trilha na mata na manhã de terça-feira (10) e não voltou mais. Além de DJ, Kojake era baixista da banda Stereo 33. 

Felipe Kojake era baixista da banda Stereo 33

Segundo a Polícia Militar, o corpo está caído nas pedras numa cachoeira com mais de 30 metros de altura, numa região de difícil acesso no meio da mata. O resgate do corpo deve ser feito ainda na tarde desta quarta-feira. Familiares reconheceram o carro de Felipe estacionado a menos de dez metros do rio. 

Em entrevista à RBS, Valdir Bartz, dono da propriedade onde funciona o Recanto das Nascente Divinas, com uma pousada e um camping, no final da estrada, Felipe chegou por volta das 10 horas da manhã de terça-feira, pediu para entrar e tomar banho na cachoeira.

Ainda não é possível afirmar o que provocou a morte do rapaz. Nas redes sociais, a comoção com a morte do músico é grande, amigos lamentaram a morte e mandam condolências para a família.

Confira trecho da nota divulgada pela banda Stereo 33:

"Tudo muito rápido. Pedimos desculpas se tivemos que reagir rapidamente, também.
Com grande tristeza, a Stereo33 informa que nosso amigo e integrante baixista Kojake faleceu nesta última terça-feira.
Pedimos a todos os amigos pensamentos positivos e suporte à família.
Local e horários do velório ainda não foram definidos. Assim que sejam confirmados, informaremos nesta página".

Noite de samba rock abre a temporada 2017 de shows brasileiros em Londres



Desafiando a chuva e o frio de 3 graus, que marcaram o primeiro dia do ano na capital inglesa, o cantor e compositor Aleh Ferreira – voz ativa da black music brasileira -, se apresentou neste domingo(01), num dos pubs mais concorridos de Londres: o Hootananny, em Brixton. 

Leia mais:


Quem conseguiu vencer a ressaca pós-Virada de Ano e ir curtir o show do artista carioca, conferiu uma noite autoral dançante, ao som de samba rock, soul e reggae. No palco, Aleh (voz, guitarra e violão) foi acompanhado pelos experientes músicos baianos Anselmo Neto (percussão) e CH Straatmann (baixo).

Da esq. à dir.: CH Straatmann (baixo), Aleh (voz e guitarra) e Anselmo Neto (percussão)   

No setlist, eles relembraram sucessos da carreira solo do artista, como "Dona da Banca", "Sou do Bem", "Herói Nago" e “Sexta-Feira Carioca", fizeram uma releitura de "Comportamento Geral" de Gonzaguinha e ainda uma versão reggae da canção "Mother" de John Lennon.

Marcado para às 9pm, a apresentação teve pouco mais de 1h30 de duração, com direito a pedidos de bis (concedido) e público anglo-brasileiro se misturando na pista de dança.

Se você foi ao Hootannany e ficou com um “gostinho de quero mais” ou se você perdeu o show mas quer ver o artista ao vivo em Londres, a boa notícia é que o cantor está em temporada pela Europa, onde deve gravar em breve um novo disco (daremos mais informações em breve).

Portanto, é pra ficar ligado na agenda do artista, se programar para as próximas apresentações e cair no samba.

 

Tom Zé faz desabafo na internet e fãs se surpreendem com proposta do Governo da Bahia

Ícone da MPB alternativa e um dos fundadores do movimento Tropicalista, ao lado de Caetano Veloso e Gilberto Gil, Tom Zé, fez um desabafo, nesta sexta-feira(16), pela sua página do Facebook. Ele expôs o valor proposto pela Secretaria de Cultura da Bahia para que o artista se apresentasse no 'Carnaval da Tropicália', em Salvador, onde será um dos grandes homenageados.

Leia mais: 


De acordo com o tropicalista, a Secult ofereceu o valor de R$ 65.000, sendo que a produção deveria cobrir todas as despesas com equipe e banda: incluindo passagens aéreas, alimentação e hospedagem. O que, segundo o cantor, custaria mais de R$70.000 no período de alta estação em Salvador, inviabilizando a produção.

Um dos pontos que chamou a atenção dos internautas foi o valor abusivo cobrado pelos hotéis da capital baiana que, ainda de acordo com a nota, "no Carnaval só aceita reserva por 5 dias".

Até o momento a Secult BA, atualmente gerida pelo professor de português, compositor e poeta Jorge Portugal, ainda não se pronunciou sobre o questionamento do artista.

"(...) na Bahia eu tenho tanto prestígio que,
para cantar tenho de ganhar R$60.000,00 e pagar R$73.380,00", criticou o tropicalista


Leia o texto de Tom Zé:  

"A Secretaria de Cultura - Salvador, me ofereceu 65.000,00 para um show no Carnaval do Tropicalismo, com as despesas pagas por mim. Agora vejam os cálculos, com os preços mais baixos: 

- hotel, que no Carnaval só aceita reserva por 5 dias, 
diária para 5 dias, R$ 56.280,00. São 8 pessoas: sexteto musical, eu e produtor(a). 
- passagens aéreas, ida e volta, 8 pessoas, R$ 13.900,00. 
- alimentação: em média (baixa), 2 refeições/dia, digamos, R$ 80,00 (R$ 40,00 cada) x 8 = R$ 640,00. 5 dias, R$ 3.200,00.
Então, R$ 56.280,00 
R$ 13.900,00
R$ 3.200,00 
TOTAL R$ 73.380,00 

Ou seja, na Bahia eu tenho tanto prestígio que, para cantar tenho de ganhar R$ 60.000,00 e pagar R$ 73.380,00. 
Isso, sem contar táxis, etc".

Seguidores de Tom Zé também criticam o valor da proposta e apoiam o artista:


Carnaval da Tropicália

Logo depois do Carnaval 2016, o governador da Bahia, Rui Costa, anunciou pelo Twitter o tema da folia 2017: uma homenagem aos 50 anos da Tropicália. Segundo ele, é uma honra artistas baianos terem participado de um dos movimentos culturais mais importantes dos anos 60.

“Que baiano não se sente honrado ao ver que nossos artistas marcaram para sempre a cultura do nosso país? Como é bom ter nascido na terra-mãe de mudanças, de poesia, inteligência, de liberdade. Por tudo isso e muito mais, vamos fazer uma linda homenagem à Tropicália no Carnaval do Pelô em 2017”, postou.

A Tropicália, ou Tropicalismo, foi um movimento vanguardista que misturou manifestações tradicionais da cultura brasileira à nova estética, entre 1967 e 1968. No espaço musical, o movimento se revelou de forma mais intensa, com artistas como Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Torquato Neto, Os Mutantes e Tom Zé.

Escute o novo disco de Tom Ze: